Remarketing: quais as vantagens dessa estratégia?

remarketing

I. O que é Remarketing?
II. Remarketing e Retargeting: qual a diferença?
III. Remarketing na prática (+ tutorial)
IV. Pixel do Facebook
V. Google Tag
VI. Listas de Remarketing do Facebook
VII. Listas de Remarketing do Google Ads
Conclusão

Atualmente, uma das maiores preocupações das empresas é com a digitalização das estratégias publicitárias para captação de novos clientes. Existem inúmeras que você já deve ter ouvido falar sobre que geram dúvidas. Qual devo usar? Como funciona? Quais são as vantagens de x ou y?

Todas as opções são importantes e podem ser trabalhadas em conjunto, que é o ideal. Tudo depende muito do objetivo do seu negócio, o momento que sua estratégia se encontra e a maturidade digital da sua empresa e colaboradores. 

Nesse post vou te apresentar uma das frentes mais utilizadas. Mas, ao mesmo tempo, uma das mais obscuras e intrigantes no Marketing Digital. Mesmo assim ela pode te auxiliar no aumento da taxa de conversão e reconhecimento de marca nas suas campanhas. Estamos falando do Remarketing, ou também chamado de Retargeting. Mesmo sendo frequentemente associados, existe uma diferença entre os conceitos, que vou te mostrar aqui.

O que é Remarketing? 

Hoje, com a digitalização de grande parte das empresas no processo de aquisição de novos clientes, as estratégias de todas as companhias se estenderam para a internet. Em grande parte delas, o digital se tornou o principal, ou único, canal de comunicação. Isso é o que consideramos a digitalização dos canais publicitários, em que conceitos e estratégias novas foram criadas. Isso gerou um novo campo de estudo, o Marketing Digital.

Ele possibilitou o uso de ferramentas/plataformas para criar vantagem competitiva e, o mais importante, democratizou o acesso, tanto para empresas, quanto para consumidores finais.

Por causa da democratização do acesso à informação, hoje é muito mais simples ter acesso à informações e comparações dos serviço/produto ofertados. Por isso, é necessária uma entrega de valor muito maior por parte das empresas, também pela presença de competição nesses espaços. Isso impacta positivamente no valor agregado do produto/serviço adquirido pelo consumidor final.

A publicidade offline utiliza vários canais para impactar novos usuários com objetivo de comunicar ofertas de produtos e serviços ou para aumentar o reconhecimento de marca. Vou mostrar, de forma simples, como seria o Remarketing nas mídias offline para, depois, evoluirmos para o âmbito digital. 

As empresas que utilizam outdoors para canalizar alguma divulgação, analisam vários dados para saber se a localização do anúncio impactará uma quantidade adequada e assertiva o público-alvo que passa naquela região. Esses dados podem ser características sociais, geográficas e comportamentais, identificados através da definição das personas.

Quantas vezes você estava indo para casa depois do trabalho, no carro ou no ônibus, e foi impactado pela primeira vez por um outdoor de uma pizza com uma promoção matadora. Nesse momento sua barriga roncou de fome e você realmente considerou pedir uma pizza. Pronto, você foi impactado por uma campanha de Marketing, talvez bem assertiva, por estar localizada na rua onde o público-alvo desta pizzaria transita.

Esse mesmo outdoor pode ser considerado uma estratégia de Remarketing? Sabe como? Simples… se dois dias depois, você estiver na mesma situação, visualizar o mesmo Outdoor e tiver o mesmo desejo, a ação publicitária se tornou um Remarketing. Em resumo, estratégias de Remarketing consistem em impactar um usuário que já teve alguma interação com sua marca, produto ou serviço.

Estratégias de publicidade digital têm diversas vantagens. Desde o início do planejamento, pela quantidade enorme de fontes de dados para a sua criação, até o aumento da assertividade das campanhas publicitárias e a geração de novos negócios. 

Para o Remarketing nas mídias digitais, as grandes vantagens estão, principalmente, na mensuração dos resultados, na diversidade de canais disponíveis para re-impactar os usuários e nas formas que a captação dos usuários que visitaram determinado site ou compraram tal produto. 

Isso possibilita segmentações mais detalhadas, oportunidades de campanhas específicas para públicos mais valiosos ou até trabalhar com um objetivo mais focado em aumentar o reconhecimento da marca da sua empresa, por exemplo.

 

Remarketing e Retargeting: qual a diferença?

A diferença entre Remarketing e Retargeting é muito confusa. Elas são palavras muito parecidas e utilizadas nas ferramentas como Google Ads de forma alternada. Mas quem sou eu para questionar o Google, né? Vou tentar esclarecer rapidamente as diferenças.

Retargeting é um subconjunto estratégico de Remarketing

Como disse no tópico anterior, o Remarketing pode ser realizado através de mídia Offline. Então, essa estratégia é considerada mais como um “termo guarda-chuva” para Marketing. Enquanto o Retargeting é uma estratégia utilizada nas mídias digitais, principalmente de publicidade PPC (Pay per click ou mídia paga).

 

Remarketing na prática (+ tutorial)

Para mostrar como funciona o Remarketing nas campanhas publicitárias online, vou utilizar uma grande rede de varejo, a Magazine Luíza. Veremos como as mídias, Google e Facebook, coletam dados e re-impactam usuários. 

Iniciando com a coleta de dados, a mágica toda acontece com os pixels/tags que são códigos instalados nas páginas do site que monitoram e coletam dados para posteriormente, por exemplo, realizar a criação de públicos personalizados e campanhas de Remarketing. 

As duas primeiras ferramentas que quero apresentar são bem simples, a Google Tag Assistant e Pixel Helper do Facebook. Elas são extensões do Google Chrome e servem para visualizar as instalações de tags em qualquer site, mesmo que seja do seu concorrente. As duas ferramentas ficam no canto superior direito do seu navegador:

Agora vamos ver, na prática, como a Magalu trabalha suas estratégias de marketing e como funciona a captação de dados.

Vamos supor que eu estou interessado em comprar um Notebook Gamer, mas só estou fazendo uma pesquisa em vários canais. Nesse caso, o site da Magalu acabou de saber isso automaticamente, apenas com a captação das minhas informações e comportamentos. Informações que o Facebook e Google já têm em sua base de dados, compartilhadas por nós mesmos.

facebook pixel magazine luiza

A imagem acima, mostra que o Facebook coletou os dados da minha visita nesse produto. O Viewcontent, é a identificação que eu entrei e visualizei um produto. Com os dados que foram recolhidos, há diversas possibilidades de segmentar a minha visita. Por exemplo, incluir o meu perfil em algumas listas de remarketing como:
Usuários que têm interesse em notebooks
Usuários que têm interesse em notebooks Gamer
Usuários que têm interesse em notebooks com valor acima de R$3.500,00

Pronto, agora você já começa a afunilar sua estratégia para re-impactar um usuário um pouco mais propenso a efetuar uma compra.

Essa segmentação pode ser aprofundar ainda mais. Por exemplo, se caso eu tivesse adicionado ao carrinho e não efetuado a compra. A Magalu poderia colocar o usuário dentro de uma lista de remarketing que abandonou um carrinho e oferecer um desconto para que efetue a compra nas próximas 24 horas. Poderia até usar uma estratégia de e-mail marketing, já que o usuário, provavelmente, cadastrou um e-mail para criar sua conta no site da Magalu.

Escolhi o Facebook Pixel Helper como exemplo, mas o Google Tag Assistant também me mostrou que meu usuário já está em uma listagem de Remarketing:

Enquanto escrevia esse Blog Post já fui re-impactado. Estava no Portal UOL, e vi essa campanha de Remarketing. Em menos de 30 minutos depois de acessar o site e fazer a pesquisa de Notebook, já há um anúncio nos sites que eu acesso. Perceberam o potencial e o diferencial do Remarketing?

Reparem que a Magalu me mostrou um Notebook um pouco mais potente e um monitor gamer. Por ser da mesma linha, e até, quem sabe, aumentar o ticket médio da minha compra.

Você deve estar se perguntando como é possível criar listas de Remarketing e como esses códigos no site são instalados. Vou resumir esses tópicos em passo a passo dentro da ferramenta.

 

IV. Pixel do Facebook

Para criar um pixel do Facebook, entre no seu Gerenciador de Anúncios e entre no Gerenciador de Eventos > Pixels. Em algumas contas está apenas como Gerenciador de Eventos.

Depois de acessar o Gerenciador de Eventos, você iniciará a criação do Pixel. Basta clicar em Adicionar Nova Fonte de Dados, conforme imagem abaixo:

Inicie a criação inserindo o nome do Pixel e o site onde será instalado e clique em criar:

Pronto, você criou seu Pixel do Facebook e agora é só instalar. Se você possui experiência com códigos, é muito simples a configuração. Mas, mesmo não possuindo experiência, o Facebook oferece opções para facilitar a instalação em plataformas parceiras. Por exemplo, no Google Tag Manager, que é uma ferramenta gratuita do Google. Nela é possível inserir apenas um código em um site, para depois instalar diversas tags sem precisar mexer nesse código.

V. Google Tag

No caso do Google Ads, você precisa acessar as Ferramentas, no canto superior direito. Depois, ir na Biblioteca Compartilhada, acessar Gerenciador de Públicos-alvo:

1. À esquerda, clique em Origens de público-alvo. Verifique o conjunto de origens, nas quais é possível criar listas de remarketing.

2. No card “Tag do Google Ads”, clique em Configurar Tag ou, se você já possui uma Tag, clique nos 3 pontos na parte superior direito do car e selecione Editar Origem. Para saber o código, no caso de já configurado, passe para a etapa 4.

3. Agora escolha os dados que a Tag coletará, que são duas opções. Uma que coleta as ações padrões e outra que você pode customizar os dados coletados, dependendo do seu segmento.

4. Clique para continuar. Se você já possuir uma Tag, o botão aparecerá como Salvar e Continuar.

5. Igual o Facebook Ads, o Google também disponibiliza opções para facilitar a instalação da Tag no seu Website. Segue as opções abaixo:

6. Clique em Concluído.

Pronto! Não se esqueça de instalar as tags, e criar boas as listas de Remarketing, como o exemplo do Notebook do site da Magalu.

 

VI. Listas de Remarketing do Facebook

Através da coleta de dados do Pixel do Facebook, você já pode iniciar a coleta de dados para criar campanhas de Remarketing.

1. Entre em Públicos.

2. Clique em Criar Público e em Público Personalizado.

3. Nesta opção, você consegue criar os públicos através das origens. Que vão desde usuários que acessaram o seu site, ou até pessoas que curtiram sua página no Facebook. Usando o exemplo do Notebook no site Magalu, seria Tráfego do Site.

4. Através do Pixel, você conseguirá utilizar ações realizadas pelo usuário. Por exemplo, usuários coletados através da ação ViewContent, que visualizaram um conteúdo ou produto. Não esqueça de colocar qual a quantidade de dias que você quer que esse usuário permaneça nessa lista. No exemplo abaixo, o usuário permanecerá 30 dias.

5. Depois de selecionar o critério e colocar um nome no Público, clique em Criar público.

Pronto, você já pode utilizar as suas campanhas de remarketing no Facebook Ads.

 

VII. Listas de Remarketing do Google Ads

No Google Ads, vá em Ferramentas, no canto superior direito e clique em Gerenciador de Públicos-alvo.
1. No menu à esquerda, clique em Listas de Público-alvo

2. Clique no ícone “+” e vá em + Visitantes do website

3. Comece com o nome do público-alvo e crie as regras para que o usuário seja captado para essa listagem. Assim como no Facebook Ads, você precisa definir a duração da associação do usuário nessa esta lista. Após essas configurações, clique em Criar Público-Alvo.

Pronto, você criou seu público-alvo para as campanhas de Remarketing. Agora inclua no Público-alvo da campanha para segmentação ou observação.

 

Conclusão

Sei que são muitas informações, mas saiba, isso foi só a introdução às estratégias de Remarketing e como elas funcionam.

Espero que esse post possa te auxiliar na decisão de quais estratégias a sua empresa necessita e, de forma inicial, te ajude a configurar e rodar campanhas de Remarketing.

Se esqueci de alguma coisa, ou se você está com alguma dúvida, por favor, escreva nos comentários.

 


Eduardo Marques     <i class="fab fa-linkedin"></i>
Eduardo Marques  

Analista de Marketing Sênior. Sou pai de uma filha linda, chamada Giovana de 3 anos e casado com a Camila. Adoro estar com meus amigos e família.

Veja todas as postagens do Eduardo Marques  


posts recentes
descubra como montar um pdi para vendedores eficiente e assertivo

Aprenda como montar um PDI para vendedores impecável, incluindo estratégias específicas para SDRs e closers. Confira, ainda, 10 erros fatais ao desenvolver o plano.

conheça - e evite - erro no forecast de vendas

Confira como evitar erros no forecast de vendas que podem acabar com sua estratégia e fuja das armadilhas capazes de destruir a eficácia da sua previsibilidade.

Saiba o que é forecast de vendas, sua importância para os negócios e conheça os 6 tipos de forecast para escolher o que melhor atende seu processo comercial.

conheça a ancoragem em vendas e aprenda como colocar em prática para fechar mais negócios

Desvende a ancoragem em vendas: uma técnica da psicologia aplicada às vendas e confira 4 exemplos de como colocá-la em prática e vender mais.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *